Todos os posts de Argolino Franco

Eh, ôô, vida de gado Povo marcado, ê Povo feliz

Tava voltando do trabalho na 6a feira. Carro com ar condicionado me isolando do Rio suarento de fim de expediente. O tempo fecha e a chuva torrencial cai lavando os camelôs e adjacentes nas calçadas. As mulheres incautas, que se meteram em calças brancas arrochadas para os avanços de 6a feira são molhadas pela chuva, deixando a roupa colada no corpo, criando efeitos possivelmente exóticos para alguns. O povo obediente, que não conseguiu convencer os patrões que a greve da polícia ia degenerar em violência por toda a cidade, este povo miúdo espera quieto o aguaceiro passar. Dentro do meu casulo móvel desloco-me para a Zona Sul pelo Aterro que ameaça encher, apesar de ser plano e junto da baía. Quando chega o Morro da Viúva, o sol aparece junto a estátua do Redentor. Sou agraciado com efeitos especiais, com direito a arco-íris. O chão vai secando. Quando adentro Copacabana, os habitantes locais não dão mostras de temerem a chuva diluviana que eu presenciara. A juventude em roupa de praia retorna para casa com o senso do dever cumprido nas reverências feitas ao deus Sol que se despede lá para os lados da Zona Oeste, digo, Barra da Tijuca. Me apiedo dos humildes trabalhadores umedecidos que abandonei no Centro. Como sofrem esses moços.

Dia seguinte: os jornais informam que o Cordão do Bola Preta levou cem mil pessoas a descer a Rio Branco em êxtase carnavalesco. Ê povo feliz!

cadê minha cota?

As cotas proliferam. Tem cota pra tudo. Cota para negros, mulheres, pessoas com necessidades especiais. Trata-se de incontinência cotista. O tema me incomoda. Tenho noção das disparidades de nossa sociedade. As diferenças de salário em nosso país são enormes. As oportunidades também são diferentes. Mas criar cotas não me parece a maneira de melhorar a situação. Acredito que o governo utiliza essa prática para se eximir das responsabilidades de gestão que lhe cabem. Por exemplo, ao invés de criar boas escolas, pagar bem os professores, destinar verba para a educação, o governo dá uma de bonzinho e distribui vagas para determinados grupos. O procedimento me parece inconstitucional. Afinal, tem um preceito em nossa Carta que fala de direitos iguais. Continue lendo cadê minha cota?

ONGs: corrupção e outras ideias menos simpáticas

Como todos sabem, sou de extrema direita. Fico puto com a incompetência brasileira para fazer algo certo. Minha comprometida bile também é castigada em assistir qualquer paspalho esperto, que tenha um padrinho no governo, faturar boa grana criando uma ONG. Tenho antipatia por ONGs, portanto, serei parcial, não esperem sutilezas. As corrupções corriqueiras identificadas em nosso país insistem em ter sempre uma ONG como parte do esquema. Também não é para dar em outra coisa. As empresas pagam impostos altíssimos e têm uma porrada de controles por parte do governo. O governo, ele mesmo, tem mecanismos para se auto controlar. E as ONGs? Com estas, temos que contar com a boa vontade de seus controladores. Continue lendo ONGs: corrupção e outras ideias menos simpáticas

Cabral e o jatinho do Eike

Eu aprovo o bom gosto do governador Sergio Cabral pelas coisas boas da vida. Por que ele havia de ser modesto? Se está na beirada do poder, tem que ostentar, exibir as vantagens que adquiriu através do voto popular. A coluna de Ricardo Noblat, em O Globo de hoje, mostra sua desenvoltura em gastar o equivalente a R$600 mil em viagens no jatinho do Eike. O Cabral é usuário frequente do avião do zilionário. Se Eike tem bom coração e gosta de lhe fazer mimos sem cobrar vantagens em negócios com o governo do Rio de Janeiro, por que ele havia de recusar? Vamos gastar o dinheiro de Eike Batista. Criar uma relação de trocas de favores com Eike é bom para Cabral e bom para o Estado do Rio de Janeiro. Quanto mais carícias trocarem, mais íntimos ficarão e poderão praticar ações em favor de nós cariocas. Tá bom que 600 mil reais permitiriam construir escolas, pagar melhor professores e bombeiros, mas isso é puro proselitismo. O que importa mesmo, e Cabral parece saber e praticar isso com afinco, é dar o melhor para nossa família e amigos. O luxo é uma delícia. Por que ficar no Rio de férias quando se pode ir para Bahamas, Paris ou Londres. Estou com Cabral. Discutam a ética à vontade, mas desde que não me tirem da vida de milionário. Infelizmente ainda não conquistei a desejada vida nababesca que nossos governantes usufruem.

em defesa do atropelador de Rafael

Quem pode estar a favor do rapaz de classe média, que saiu com seu carro em velocidade alucinada indo atropelar o outro rapaz que estava brincando de skate? Talvez possamos. O que aconteceu com Rafael Mascarenhas foi uma fatalidade. A bagunça reinante em nossa sociedade contribuiu para a tragédia. Mas os culpados não são tão fáceis de identificar. Pegue-se o motorista Rafael Bussamra. Sem considerar a vida pregressa do rapaz que estava participando do “pega”, podemos dizer que ele estava em um dos seus melhores dias como cidadão. Continue lendo em defesa do atropelador de Rafael

Sarney é bom pai e avô

A perseguição continua. Não dão trégua ao Senador José Sarney. Um verdadeiro absurdo. Ele não é uma pessoa comum (sic). As últimas denúncias exibem fitas gravadas dele pedindo emprego ao diretor-geral do Senado uma colocação para o namorado da neta. Onde está o absurdo? Longe de mostrar má fé ou uso indevido da coisa pública, esta atitude mostra uma preocupação zelosa de pai e avô. Continue lendo Sarney é bom pai e avô