Arquivo da Categoria: comportamento

Qual a chance de todos os dias do ano você ter amigos que fazem aniversário?

Não esquecer os dias dos aniversários dos amigos é regra de etiqueta a ser seguida. Uma pessoa com rede de relacionamentos de algum porte deve lembrar de cumprimentar seus amigos aniversariantes do dia. Preocupado em não deixar furos, venho preenchendo a informação dos dias dos aniversários dos meus contatos. Sou bastante liberal. Acrescento filhos de amigos, conhecidos, qualquer um que decline sua data de aniversário e tenha um mínimo potencial de ser importante na minha vida. As vezes dou entrada na lista de contatos apenas com nome e data de aniversário. Todo dia, meu calendário informa os aniversariantes da data. Transformei tudo num jogo (o importante é gamificar os processos, não é?) cujo objetivo é eu ter o máximo número de dias do ano com conhecidos fazendo aniversário nessas datas. Continuar a lerQual a chance de todos os dias do ano você ter amigos que fazem aniversário?

Desiludido da Espécie

Nicholas Epley : “There’s nothing that we spend more time thinking about in our daily lives than other people. Other people are the most complicated things we ever think about.”

Está cada vez mais difícil aturar meus semelhantes. Não tão semelhantes assim. Não aguento mais ouvir as opiniões dos idiotas. Eles e elas sempre existiram. O problema é que a comunicacao digital, as redes sociais, o infernal Facebook, esses recursos nos aproximaram dos imbecís. A internet potencializou a capacidade das pessoas dizerem bobagens. Mesmo sendo um visitante bissexto das discussões, cada vez que arrisco ler o que escrevem, minha paciência é testada com crueldade. Continuar a lerDesiludido da Espécie

Caetano cantou na posse da nova presidente do STF Carmem Lúcia

Foi bonito. Caetano é um dos gênios da música brasileira e, sem dúvida, do mundo. Gênio não tem nacionalidade. O evento da posse de Carmem Lúcia foi um pouco diferente do provável protocolo mais sisudo. 

Eu queria que fosse mais sisudo. A ministra assumia, fazia um breve discurso apontando os problemas que vai endereçar em seu mandato à frente do STF e todos ao trabalho. Me incomoda essa presepada que cerca tudo que acontece no STF. É tudo sofisticado e hermético. Fala-se um português só entendível por uns poucos iniciados. Os depoimentos são ricos em citações literárias que pouco têm a ver com o tema que deveria ser o centro das atenções: Justiça. 

E lá foi Caetano cantar na posse da ministra. No meu aniversário ele não cantou. O cachê do nobre artista é altíssimo com razão. Mas ele não cobrou nada. Foi em deferência à amiga. Ou uma gentileza com Sua Excelência a fã. 

Me coça a pergunta: Se Caetano ligar pra Carmem Lúcia para fazer lobby de algum interesse dele ou da classe artística, a ministra atende a ligação? Se tu ligar, ela atende? Será ela mais simpática ao que serve a Caetano? Sei não. Preferia um evento menos cool. Caetano podia enviar uns ingressos de seu próximo show para a Ministra. Ela poderia aceitar, claro, se o valor dos ingressos for inferior ao limite estipulado pelas normas éticas do STF. 

Depois que reli o texto acima, aprendi mais uma coisa: sou ingênuo mesmo.