Colapso: Como as Sociedades Escolhem o Fracasso ou o Sucesso [Jared Diamond, 2005, Editora RCB]

Magnífico! Um livro essencial. Depois de ganhar o prêmio Pulitzer com seu famoso livro ““Armas, Germes e Aço””, Jared Diamond nos traz “Colapso”, antológico trabalho sobre a evolução das sociedades. Ele analisa com detalhe e elegância, porque elas sucumbem e porque são bem sucedidas. O livro é um curso intensivo para nos atualizarmos sobre as dificuldades do relacionamento da humanidade com a natureza. E está na hora de se informar sobre o assunto. O meio-ambiente está na pauta do dia. Diamond fornece a justa dimensão dos problemas do desmatamento, da poluição industrial, do crescimento da população. Não é pouca coisa. Ao longo da existência do homem na Terra, populações inteiras tiveram oportunidade de sobreviver e escolheram o caminho da extinção. Diamond não esquece de nos mostrar casos positivos, em que, apesar de limitações naturais fortes, comunidades conseguem sobreviver.

Diamond aplica seu modelo de análise a grande número de civilizações da história. Mostra-nos com inteligência as trajetórias dessas civilizações até a falência. Ele nos apresenta a fantástica trajetória da Ilha da Páscoa, cujos habitantes originais chegaram até a ilha num barco, vindo da Polinésia. A população se desenvolveu, chegando a 5000 pessoas, e viveu isolada ali por 500 anos. O desleixo com o meio-ambiente e a falta de ações de seus líderes levaram esta sociedade à pura e simples extinção. Quando os navegantes portugueses chegaram à ilha, só havia grandes estátuas de pedra. Erich Von Däniken, um charlatão famoso nos anos 70, explicou de maneira bizarra o desaparecimento dos habitantes da Ilha da Páscoa e os enormes monumentos que eles construíram: seres do espaço teriam vindo à Terra, ensinaram aos habitantes a construir os monumentos e foram embora. Simples, não é? Diamond nos mostra os erros que conduziram ao desaparecimento da gente da ilha. A derrubada das florestas destruiu a capacidade dos habitantes da Ilha da Páscoa de sobreviverem. A história é trágica e passa por um final onde até o canibalismo é usado como meio para sobreviver. Por outro lado, encontramos uma ilha com duas milhas de diâmetro, no Pacífico, em que a população percebe suas dificuldades e desenvolve mecanismos para produzir o sustento e tornar viável a vida na ilha. Ou seja, há salvação.

Colapso é um abrangente curso de história focado nas características dos povos, as vantagens que tinham para sobreviver e os defeitos que os levariam a morte. Maias, vikings, esquimós, japoneses, chineses, australianos e muitos outros têm sua história contada ou seu presente analisado pelo modelo de estudo de Diamond. Você sabia que o Japão, que sempre associamos a uma congestionada Tóquio, tem 78% de seu território reflorestado. Tudo acontece por que a dinastia Tokugawa, no século XVII, percebeu que as florestas da ilha estavam desaparecendo e atuou para resolver o problema. Ao mesmo tempo, o miserável Haiti, onde a população ainda vive de frágil agricultura familiar, só dispõe de 1% de seu território com florestas. Os exemplos se sucedem e os problemas decorrentes são minuciosamente analisados. A abordagem segura de Diamond nos mostra que preocupação com meio-ambiente não é frescura. Não é livro fácil. Para muitos, nestes tempos de simplificações e resumos, será intragável. Para outros, será um divisor de águas, será a descoberta de uma nova maneira de ver o mundo e a história. Pode ser o livro que vai nortear a vida profissional de um leitor.

O estilo de Jared Diamond me lembra Stephen Jay Gould, que escrevia sobre história natural. São escritores que têm o dom de criar uma estrutura de conhecimento que abre novas portas para o leitor que os encontra. A abordagem de Diamond nos traz uma nova visão sobre problemas sociais contemporâneos. Sua análise do extermínio de Tutsis pelos Hutus, na África, é um exemplar magnífico de explicações simples não são boas receitas para tratar a história. A alta densidade demográfica e a escassez de recursos decorrentes da exploração desenfreada do meio-ambiente aparecem como fatores que não podem ser desacreditados na justificativa do extermínio de cerca de 10% de uma população. A visão malthusiana buscada por Diamond, nos traz novas possibilidades de análise de problemas que superficialmente podem ser descritos como decorrentes de baixo índice de educação ou puro racismo. O motivo não foi apenas o ódio dos Hutus pelos Tutsi. Diamond aponta que em certas regiões, onde só havia Hutus, o extermínio chegou a 5% da população. Havia outras causas.

A visão míope do governo americano do presidente Bush se torna mais crítica depois de lermos Colapso. A recusa da rica civilização americana em enfrentar o problema do meio-ambiente pode ser o prenúncio do final da civilização no planeta? A poluição em larga escala da China será o limitante do mega crescimento dessa economia? No quadro mundial, com as queimadas da Amazônia, o Brasil aparece mal na foto. O livro de Diamond nos mostra o quanto críticas são as ações demandadas para tratar esses problemas.

Um pensamento leva a outro. Vendo o que os desequilíbrios podem fazer com as civilizações, pensei aqui com meus botões. Imaginem uma cidade como o Rio de Janeiro. Aqui, as mães ricas (renda maior que 10 salários mínimos) têm em média apenas um filho. Já as mulheres pobres (renda na faixa de 1 salário mínimo) têm mais de 5 filhos. A população cresce com maior número de crianças miseráveis, sem instrução e sem opções na vida. A massa de ignorantes vai crescer se tornando a grande maioria. A população jovem será manipulada por traficantes de drogas, traficantes de deuses (franquias de religiões) e traficantes de cidadania (políticos corruptos manipulando promessas sociais que não serão cumpridas). Por uma bolsa família, os governantes se perpetuarão no poder, agravando os defeitos de uma sociedade que perde a oportunidade de aproveitar seus potenciais. O desequilíbrio criado pode ser o causador de uma guerra civil. Em tempo: a Vila Cruzeiro está sitiada há mais de 40 dias e os traficantes não parecem dispostos a ceder. A guerra civil Carioca vai reduzir a capacidade produtiva da cidade e do estado do Rio. A indústria migrará para outros estados ou países, aumentando o desemprego. A falta de turistas afugentados pela rotina de crimes diminuirá a oferta de empregos em serviços. A “taxa diária de balas perdidas atingindo pessoas” maior que um caso por dia, não é grande atrativo para chamar um viajante ao Rio. O desemprego contribuirá para o aumento do crime organizado ou não. O ciclo de piora acelerará a decadência da cidade. Este exercício é pura paranoia ou apenas a previsão óbvia de nosso futuro? A falência anunciada do Rio de Janeiro pode ser um bom caso de colapso para ser estudado no futuro pelos discípulos de Diamond.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.