Darwin e os Grandes Enigmas da Vida [Stephen Jay Gould, 1999, Martins Fontes]

(nota em 20 outubro 2006)

Stephen Jay Gould faleceu em 20 de maio de 2002 depois de lutar 20 anos contra um câncer para o qual lhe deram uma sobrevida máxima de 1 ano. A matéria abaixo foi escrita antes de sua morte. A inteligência e força do seu pensamento permanecem intactos.

(matéria original em 10 julho 2001)

É possível fazer bom texto sobre ciência sem cair nas armadilhas das simplificações ou puro besteirol. Também não é necessário ser hermético, escrevendo para um pequeno grupo de leitores iniciados. Stephen Jay Gould comprova isso. Este livro, que foi seu primeiro best-seller, traz uma coletânea dos artigos mensais que Gould escreve para a revista Natural History Magazine. O tema central de seus ensaios é a teoria da seleção natural, criada por Darwin no século XIX. Este elegante produto do gênio humano – que Gould equipara à produção de Newton e de Freud – desvendou a história da vida em nosso planeta. Aqui na Terra, em aproximadamente 3 bilhões de anos, a mãe Natureza fez com que os seres vivos surgissem, gerassem descendentes e, com o passar do tempo, se transformassem. A regra que norteou as mudanças nos seres vivos foi: “aqueles mais favorecidos pelo meio ambiente sobreviveriam e se multiplicariam”. Mostrando-se uma mãe rigorosa, aos seus filhos inadaptados, a Natureza relegou o caminho da extinção. Esta longa história culminou com o surgimento, nos últimos 8 milhões de anos, de um primata metido a besta que, apesar de uma ou outra ameaça de explodir a Terra com bombas nucleares, tem levado vantagem como animal. Diz o próprio Gould: “a Natureza criou todos esses animais e plantas e, então, orgulhosa, deu consciência ao homem para que este pudesse apreciar sua criação.”

A teoria da evolução, apesar de sua elegância e total reconhecimento nos meios científicos é, até nossos dias, posta a prova pela ignorância de religiões radicais. Saibam que hoje, nos Estados Unidos, os criacionistas, achando que a Terra foi criada há cerca de 6000 anos (4004 a.C. para ser mais preciso!), lutam para impedir que a seleção natural seja ensinada nas escolas. Gould é o adversário brilhante desses e outros agentes do obscurantismo. Esgrimindo a teoria da evolução, Gould exercita o bem pensar e abate várias formas de ignorância, como o racismo e o sexismo. A limpidez de seu raciocínio de cientista é uma jóia preciosa neste medíocre cenário editorial de nossos dias, que privilegia o retorno fácil do esoterismo e mistificação. Haja saco para aturar Paulos Coelhos e Florais de Bach!

Darwin e os Grandes Enigmas da Vida aborda temas como a história da Terra, a relação entre o tamanho do homem e sua inteligência, o mau uso da evolução para sustentar o racismo e o próprio processo de Darwin apresentar seu maior trabalho A Origem das Espécies. Seu estilo é magnífico. Os assuntos que desencava também. Um exemplo da qualidade de seus artigos é o curioso ensaio “Sobre bambus, cigarras e a economia de Adam Smith”, onde Gould nos mostra como a evolução faz uso de números primos para garantir a sobrevivência de algumas espécies. É o caso da chamada cigarra periódica, que para sobreviver, produz descendência superabundante e um ciclo reprodutor longo. O curioso é a duração do ciclo de reprodução: 17 anos. De 17 em 17 anos, milhões de crisálidas emergem do solo para cumprir seu destino de tornarem-se adultas, se acasalarem, por ovos e morrer. Porque 17 anos? O fato é que esta espécie tem mais chance de sobreviver com um ciclo de 17 anos (algumas espécies têm ciclos de 13 anos!), pois ele minimiza a possibilidade de seus predadores (cujo ciclo de vida é de 2 a 5 anos) conseguirem “sincronizar” seus ciclos e dizimarem sucessivas gerações de cigarras. Assim, a cada “florada” de cigarras, muitas são abatidas pelos predadores, mas nunca o extermínio é suficiente para levá-las à extinção. Resultado: a espécie sobrevive!

Este livro é um bom início para conhecer a obra de Stephen Jay Gould. Outros livros dele que recomendo são O Polegar do Panda, O Sorriso do Flamingo, Vida Maravilhosa e Dedo Mindinho e seus Vizinhos. É só começar e você vai se viciar em Gould. Vale a pena investir, o mundo está carecendo do bom exercício de pensar e Stephen Jay Gould é um mestre nessa arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.