Arquivo da Categoria: política

Ipanema e Leblon não precisam de estações do metrô

A afirmação do título é radical, mas faz sentido. Pra quê a estação? Se não houvesse o trânsito de carros vindos da Barra, a ida de carro para o Centro de manhã seria rápida enquanto apreciaríamos a magnífica paisagem de nosso litoral. Ipanema e Leblon estão saturados e não precisam fornecer mais opções de transporte para a população vir para estes bairros. Entulhar a região de gente desembocando de estações do metrô só piora a qualidade do bairro e o valor de morar ou ter comércio por ali.

O Rio deveria ter outras prioridades. O metrô carece de ter uma via alternativa à original, por exemplo, seguindo pela Mem de Sá em paralelo à Presidente Vargas. Esta nova linha deveria ter um prolongamento que atingisse a Barra, para permitir que o povo da Zona Oeste não precisasse vir de carro para o Centro. Aliás, este metrô iria desafogar o tráfego de carros em Ipanema e Leblon diminuindo a importância de construir as das estações que eu considero desnecessárias. Esta linha também aumentaria a capacidade de tráfego para atender os subúrbios do Rio, onde a população mais humilde tem necessidade de bom serviço de transporte.

Por que o governo do Estado não faz este belo raciocínio de investir em zonas mais carentes do que os bairros mais ricos do Rio? Huum? Me disseram que é porque já há um contrato com a construtora que fez a obra até Ipanema, assim, não é preciso licitar mais nada, basta mantê-la tocando as obras. Ah, entendi. Ao que parece, a discussão não passa pelo que poderia ser melhor para a população. Continuar a lerIpanema e Leblon não precisam de estações do metrô

Cachoeira, Cavendish, Cabral…

Tava lendo o jornal… Jorge Carlos Moreno expõe a escolha de Sofia a que estamos expostos quando Garotinho divulga o vídeo que demonstra a grosseira intimidade de Sérgio Cabral com Cavendish. Como cobrar o esclarecimento dessa parceria estranha que pode identificar ligações de Cabral com a máfia brasileira construída por Cachoeira, envolvendo políticos e empresários numa mega organização, sem dar força a Garotinho. Moreno refere a máxima de Ulysses Guimarães: “Garotinho suja a denúncia que faz porque, no seu caso, não busca culpados, mas cúmplices.” irreparável. Zuenir Ventura confirma em sua coluna a aflição por que passam os cariocas. “A dúvida que fica no ar depois da leitura de cada capítulo do escândalo ė se, ou quando, vai respingar no Rio um pouco da lama da cachoeira Carlinhos.” A cena geral parece confirmar que está cada dia mais raro poder identificar político com visão de cidadania, com um mínimo de objetivo para melhorar a sociedade. Um a um, as opções se mostram mais interessadas em garantir seu direito divino a andar de helicópteros, ter casas em condomínios cinematográficos e usufruir dos caros restaurantes de Paris. Ai da gente. Mesmo que a blindagem funcione, Cabral está perdendo o rumo em sua trilha em direção à candidatura à presidência da república. O PMDB fica mais fraco. O PT se delicia com as oportunidades geradas pela fraqueza dos aliados.

PT e Corrupção

Da série copiando dos outros: Na coluna de Merval Pereira de 06.04.12 aparece boa descrição do processo adotado pelo PT para garantir a maioria e se manter no poder.

Mas o partido que está no poder usava o combate à corrupção como sua marca antes de chegar à Presidência, e tentou manter a aparências nos primeiros tempos de poder central.

Diferentemente dos outros partidos, no entanto, no PT ser corrupto nao invalida a atuação política de um líder importante.

corrupção, Dilma, ética no PT…

A corrupção está sendo redefinida. O Ministro “Bola da Vez” Pimentel não explica o que fez para ganhar dois milhões em consultoria. A presidente Dilma acha normal. Diz que tudo aconteceu antes dele ser do governo. Para Dilma, o crime já prescreveu. Se ele tiver uma recaída e fizer novo malfeito, ela vai lhe dar umas palmadas. Nossa “Poliana” Dilma acha que ele está curado.

O PT ficou pequeno. Parecia ser outra coisa. Agora, vale qualquer arranjo para manter o poder. A redefinição da corrupção se dá assim. O Pimentel é uma pessoa importante, boa formação, tem que ter renda para cultivar hábitos caros. Não é qualquer um. Não pode ficar se restringindo a viver com salário de ministro ou do cargo em que provavelmente traficou influência em troca da grana da consultoria. É assim mesmo gente. O cara precisa tirar o dele. Mas…

Ele mentiu. Disse que deu palestra e não deu. Ninguém sabe, ninguém viu as tais apresentações valiosas que Pimentel fazia. Então, há caminho para pegar o mentiroso. Mentir, para uma figura pública, é malfeito. Que se pegue o palestrante fantasma.

Aula de Religião nas Escolas Públicas

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro aprovou a criação de 600 cargos de professores de religião. Bem que podiam usar esse dinheiro para aumentar o salário dos professores de matemática. Como sou ateu praticante, vejo essa iniciativa como um belo desperdício. Vão encher a cabeça de crianças com superstições do tipo “Deus criou o céu e a terra…”. Coitados dos pimpolhos. Um deputado do Partido Comunista conseguiu incluir um aditivo obrigando as escolas a informarem que as aulas de religião serão facultativas. Uma maravilha viver num país que joga dinheiro fora em atividades facultativas. Que Deus nos ajude!