Arquivo da Categoria: política

Cachoeira, Cavendish, Cabral…

Tava lendo o jornal… Jorge Carlos Moreno expõe a escolha de Sofia a que estamos expostos quando Garotinho divulga o vídeo que demonstra a grosseira intimidade de Sérgio Cabral com Cavendish. Como cobrar o esclarecimento dessa parceria estranha que pode identificar ligações de Cabral com a máfia brasileira construída por Cachoeira, envolvendo políticos e empresários numa mega organização, sem dar força a Garotinho. Moreno refere a máxima de Ulysses Guimarães: “Garotinho suja a denúncia que faz porque, no seu caso, não busca culpados, mas cúmplices.” irreparável. Zuenir Ventura confirma em sua coluna a aflição por que passam os cariocas. “A dúvida que fica no ar depois da leitura de cada capítulo do escândalo ė se, ou quando, vai respingar no Rio um pouco da lama da cachoeira Carlinhos.” A cena geral parece confirmar que está cada dia mais raro poder identificar político com visão de cidadania, com um mínimo de objetivo para melhorar a sociedade. Um a um, as opções se mostram mais interessadas em garantir seu direito divino a andar de helicópteros, ter casas em condomínios cinematográficos e usufruir dos caros restaurantes de Paris. Ai da gente. Mesmo que a blindagem funcione, Cabral está perdendo o rumo em sua trilha em direção à candidatura à presidência da república. O PMDB fica mais fraco. O PT se delicia com as oportunidades geradas pela fraqueza dos aliados.

PT e Corrupção

Da série copiando dos outros: Na coluna de Merval Pereira de 06.04.12 aparece boa descrição do processo adotado pelo PT para garantir a maioria e se manter no poder.

Mas o partido que está no poder usava o combate à corrupção como sua marca antes de chegar à Presidência, e tentou manter a aparências nos primeiros tempos de poder central.

Diferentemente dos outros partidos, no entanto, no PT ser corrupto nao invalida a atuação política de um líder importante.

corrupção, Dilma, ética no PT…

A corrupção está sendo redefinida. O Ministro “Bola da Vez” Pimentel não explica o que fez para ganhar dois milhões em consultoria. A presidente Dilma acha normal. Diz que tudo aconteceu antes dele ser do governo. Para Dilma, o crime já prescreveu. Se ele tiver uma recaída e fizer novo malfeito, ela vai lhe dar umas palmadas. Nossa “Poliana” Dilma acha que ele está curado.

O PT ficou pequeno. Parecia ser outra coisa. Agora, vale qualquer arranjo para manter o poder. A redefinição da corrupção se dá assim. O Pimentel é uma pessoa importante, boa formação, tem que ter renda para cultivar hábitos caros. Não é qualquer um. Não pode ficar se restringindo a viver com salário de ministro ou do cargo em que provavelmente traficou influência em troca da grana da consultoria. É assim mesmo gente. O cara precisa tirar o dele. Mas…

Ele mentiu. Disse que deu palestra e não deu. Ninguém sabe, ninguém viu as tais apresentações valiosas que Pimentel fazia. Então, há caminho para pegar o mentiroso. Mentir, para uma figura pública, é malfeito. Que se pegue o palestrante fantasma.

Aula de Religião nas Escolas Públicas

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro aprovou a criação de 600 cargos de professores de religião. Bem que podiam usar esse dinheiro para aumentar o salário dos professores de matemática. Como sou ateu praticante, vejo essa iniciativa como um belo desperdício. Vão encher a cabeça de crianças com superstições do tipo “Deus criou o céu e a terra…”. Coitados dos pimpolhos. Um deputado do Partido Comunista conseguiu incluir um aditivo obrigando as escolas a informarem que as aulas de religião serão facultativas. Uma maravilha viver num país que joga dinheiro fora em atividades facultativas. Que Deus nos ajude!

ONGs: corrupção e outras ideias menos simpáticas

Como todos sabem, sou de extrema direita. Fico puto com a incompetência brasileira para fazer algo certo. Minha comprometida bile também é castigada em assistir qualquer paspalho esperto, que tenha um padrinho no governo, faturar boa grana criando uma ONG. Tenho antipatia por ONGs, portanto, serei parcial, não esperem sutilezas. As corrupções corriqueiras identificadas em nosso país insistem em ter sempre uma ONG como parte do esquema. Também não é para dar em outra coisa. As empresas pagam impostos altíssimos e têm uma porrada de controles por parte do governo. O governo, ele mesmo, tem mecanismos para se auto controlar. E as ONGs? Com estas, temos que contar com a boa vontade de seus controladores. Continuar a lerONGs: corrupção e outras ideias menos simpáticas