Arquivo da Categoria: marketing e consumo

Quem escondeu os juros?

Há uma coluna da Veja que é meio chata. Quem escreve é Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central. Ele fala de assuntos enfadonhos da Economia, que não devem atrair muitos leitores da frugal revista semanal brasileira. Entretanto, em artigo recente, intitulado “Onde estão os juros?”, Gustavo tratou de um tema tabu, que em geral é menosprezado ou premeditadamente retirado das pautas. Trata-se dos crediários compulsórios que os brasileiros são obrigados a usar em suas compras. Continuar a lerQuem escondeu os juros?

Springer dá show de Atendimento

a fabricante de ar condicionados respeita o cliente

Nesse Brasil, a gente só vê motivo para reclamar. Na média, as coisas não funcionam. No comércio, a sensação é que lidamos com espertos que parecem querer aproveitar a menor distração para extrair mais dinheiro da gente, nos oferecendo serviços e produtos piores. Quando acontece diferente, ficamos surpresos. Continuar a lerSpringer dá show de Atendimento

Telemar torturando um carioca

mas ganhei ação contra ela na Justiça

Atualmente, as únicas empresas com crescimento acelerado são aquelas trabalhando com alta tecnologia: as empresas de Internet e as companhias telefônicas. Dentro deste boom, o fenômeno Telemar é um destaque. A empresa é a mais odiada do estado. É a número um em reclamações nos órgãos de proteção ao consumidor. Mas ela continua firme, gastando em publicidade para esconder a porcaria de serviço que nos oferece. É claro que o sofrimento do cliente Telemar acaba vindo a público. Os sites de revolta contra a Telerda proliferam. A síntese da opinião da população está na faixa colocada numa passarela em frente à Rocinha: “Telemar: vergonha do Rio de Janeiro”.

Tive também minha experiência com esta triste empresa. Conto rápido para vocês. Eu aguardava uma segunda linha há muito tempo. Em outubro do ano passado, apareceu um técnico para instalar o telefone lá em casa. Ele tentou fazer a instalação, mas diagnosticou que havia um problema na linha e teria que voltar depois. Saiu sem o telefone funcionar. Avisei a Telemar que havia aparecido esta criatura e que o telefone não funcionava. Tudo bem. Desapareceram todos. Um mês depois, chega a conta do telefone. Nenhum impulso registrado – é claro, por que não havia telefone – mas me cobravam a assinatura! Reclamei novamente que estavam me cobrando por um telefone que não havia sido instalado. Em 24 horas, veio um rapaz, confirmou que havia o problema na linha, e, em outras 24 horas, colocaram meu telefone para funcionar. Pensei que as coisas tinham se resolvido.

Eu reclamara da cobrança de R$18,00 da assinatura de um mês em que eu efetivamente não tivera telefone. Uma moça da Telemar, muito gentil, me disse que eu seria informado do resultado da minha queixa. Fui sim. Um mês depois meu telefone foi desligado sem nenhum aviso. Vejam que primor de respeito com o cliente. Eu não podia mais fazer ligações. Se eu só tivesse um telefone ou precisasse muito dele, não teria como me opor à prepotência, à chantagem da Telemar. Teria que pagar o que eles exigissem.

Começava aí minha via crucis. Reclamei que tinham me cobrando por um serviço que não existia. A Telemar me informou que depois que os fios eram instalados, eles passavam a cobrar. Boa! A Telemar era então uma empresa de instalar fios. Se o telefone funcionava ou não, isto não dizia respeito a ela.

Bem, a empresa vende serviço de comunicação por telefone. Quando tentei resolver o problema pelo telefone, fui informado que devia ir à agência da Telemar. Ridículo. Mas, a essa altura, eu já estava interessado em ver até onde ia a combinação de desrespeito, incompetência e desprezo por um cliente da Telemar. Eu fui. Uma balconista registrou a queixa que eu já havia feito por telefone e mandou religar o aparelho.

Duas semanas depois, apesar de eu estar pagando as contas regularmente (exceto os fatídicos R$18,00 da assinatura), a Telemar, provavelmente, só de brincadeirinha, cortou o telefone novamente. A essa altura eu já havia tentado reclamar pela Internet. Depois de cerca de dois meses do envio do e-mail, recebo uma carta dizendo que este tipo de problema tem que ser resolvido, pasmem, por telefone! Telefone?! Acho que eles ficam jogando peteca com os pobres clientes, até que o sujeito se desespere, se suicide ou, como não tem alternativa, se submeta à tortura que eles nos impõem.

Eu, como tenho outra linha, posso ficar esperando e brigando. Posso até soltar os cachorros num texto publicado em Polemikos. Mas, e o pobre carioca que quer apenas ter um telefone em casa?

Aprendi uma coisa sobre o negócio da Telemar. O objetivo principal da empresa não é prover serviço telefônico. Também não é instalar fios mudos nas casas, como a moça da empresa tentou me explicar. O negócio da Telemar é destruir a minguada auto-estima do carioca. É acabar com o que resta do nosso orgulho. É acabar com nosso esforço em tentar fazer valer nossos direitos. A Telemar deve ser uma entidade do mal voltada para gerar cidadãos de segunda classe. O telefone entra nesta história apenas como instrumento da perversão desses canalhas que nos torturam.

Como disse a vocês, pelo menos eu posso reclamar. Não resolve, mas relaxa um pouco.

Nota: Pouco depois, a Telemar me colocou no Serasa por não pagar as contas do período em que ela me cortou o telefone. Entrei na Justiça contra a Telemar no Tribunal de Pequenas Causas. Ganhei vinte salários mínimos da empresa telefônica que torturava (tortura?) os cariocas. A Telemar agora é a OI. Esperamos que o serviço tenha melhorado.