Arquivo de etiquetas: livros

Perdido em Marte, de Andy Weir

O livro “The martian”, do autor Andy Weir, ganhou o título de melhor livro de ficção científica de 2014 no site Goodreads. Eu gostei do livro. Li o ebook da Amazon: The Martian: A Novel. Virou filme, com direção de Ridley Scott e com Matt Demon no papel do azarado astronauta que é deixado em Marte pelos colegas da missão espacial ao planeta, aparentemente morto.

O resumo do início do livro dá o tom da história: “Six days ago, astronaut Mark Watney became one of the first people to walk on Mars. Now, he’s sure he’ll be the first person to die there.” O livro conta a história de sua luta pela sobrevivência. Os detalhes técnicos de sua jornada para se manter vivo são a graça da história. Sozinho, o astronauta Mark Watney se vira para obter os preciosos ar e comida. O livro tem uma proposta que se arrisca a ser monótona, mas a história tem muito bom ritmo. É impossível não se colocar no lugar do sujeito que persevera para viver. Leia o livro, veja o filme.

O Andar do Bêbado [Leonard Mlodinow, 2009]

Bom livro. É da classe dos livros “quase técnicos”. O tema central é o acaso, como lidamos com ele e os mecanismos criados para representá-lo. A proposta do livro é desmistificar ou descomplicar o entendimento de probabilidade e estatística. Contando a história da evolução das técnicas para estudar fenômenos aleatórios, Mlodinow esclarece as definições e mostra suas aplicações. O autor consegue perambular bem pelos temas. Eu recomendaria, sem dúvida, para um aluno de faculdade que tivesse terminado a cadeira de probabilidade e seguisse para fazer estatística no próximo semestre. Para quem tiver minimamente se afeiçoado aos assuntos, o livro é leitura agradável e serve para arrumar a cabeça sobre detalhes da teoria. Para aqueles que se atemorizaram com a probabilidade, o livro, apesar de fácil e bem abordado, vai causar enjoo. Eu recomendaria perseverar, mas é baixa a chance de conseguir convencer os desgostosos. Quem já conhece o assunto, pode considerar o livro meio trivial, mas Mlodinow contorna o risco de cair no óbvio apresentando o contexto histórico dos avanços da matemática, tornando o livro atraente e, em certos momentos, hilário. O autor traz exemplos práticos interessantes da probabilidade e estatística, tocando assuntos diversos tais como a controversa eficiência de fundos de investimento, os resultados falso-positivos de testes de doenças ou argumentos falaciosos de julgamentos de crimes. Esse tipo de conhecimento merece nossa atenção, pelo menos que seja para diminuir a chance de sermos ludibriados pelas armadilhas de argumentações equivocadas ou de pura má fé que nos ameaçam no dia a dia. Investir na leitura de O Andar do Bêbado traz boa chance de o leitor aperfeiçoar sua visão sobre eventos aleatórios ou errôneas relações de causa e efeito que, na verdade, são movidas pelo acaso. Recomendo dar o passo na direção de sua compra.

compre O Andar do Bêbado na Amazon

como ler "Cinquenta Tons de Cinza"

A boa prática para ler o livro Cinquenta Tons de Cinza, da autora E L James é simples e objetiva. Compre o kit “livro e marcador de textos”. Faça a leitura marcando os trechos que considerar mais eróticos e passíveis de experimentação. Concluída a leitura (ou quando você achar que já tem bastante material de trabalho), passe o livro a seu parceiro sexual para que ele tome conhecimento das partes (do livro e do corpo) que mais a estimularam e dê início as práticas. Desejo bons e novos orgasmos a todos.

Carlos Heitor Cony

Quem ouve aquele idoso balbuciando comentários no programa Liberdade de Expressão, nas manhãs da rádio CNN, tende a cair na armadilha de criticar o hesitante debatedor. Eu concordo com os críticos, mas me forço a lembrar que ali está o autor de “Quase Memória”. É o cara! Minha dívida com Cony pelo prazer que seus livros me trouxeram é imenso. Outro livro dele de que gosto muito é “Pilatos“, de 1974. Para ficarmos em “Quase Memória”, este é livro que faz aflorar o riso e as lágrimas, imperdível. A entrevista de O Globo de hoje resgata um pouco da história de vida e da verve do escritor. Acho que já está na época de começar a relê-lo.

Unknown, Richard Dawkins

Interessante o livro Unknown, de Richard Dawkins. Baixei a versão gratuita para ler no Nook. Gosto muito da maneira de pensar do escritor dos famosos o “Gene Egoísta” e “Deus, um Delírio”. Sua crônica esclarecedora sobre crendices em geral é um bom exercício de maneira de pensar clara e limpa. É bom rever o argumento que Dawkins já utilizou em seu livro Deus, um Delírio, em que ele mostra como a tendência dos humanos em acreditar no que dizem seus pais foi muito útil para dar segurança a uma espécie no começo de sua evolução. Hoje, para aspectos como a religiosidade, a fé das crianças nos seus pais, que é estendida a adultos com status, serve para desenvolver nas pessoas a fraqueza de acreditar no sobrenatural, incluídas aí as improváveis propostas das religiões.